Receba as notcias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 23 - sexta-feira, 29 de setembro de 2023

Polícia Civil (com ajuda de helicóptero que sobrevoou longamente M. Claros, na manhã de hoje): "Sete suspeitos, com idades entre 23 e 37 anos, foram presos (...) em Rio Pardo de Minas (...) durante a operação Tribunal do Templo"

Tera 30/05/23 - 16h43



Divulgao da Polcia Civil:

PCMG deflagra operao Tribunal do Tempo em Rio Pardo de Minas

Sete suspeitos, com idades entre 23 e 37 anos, foram presos na manh desta tera-feira (30/5), em Rio Pardo de Minas, no Norte do estado, durante a operao Tribunal do Templo.

A ao foi deflagrada para o cumprimento de cinco mandados de priso temporria, expedidos para investigados em crimes de homicdio e trfico de drogas.

Alm das prises, a PCMG tambm realizou o sequestro de dois carros e cumpriu oito mandados de busca e apreenso, sendo dois suspeitos presos em flagrante por trfico de drogas depois que foram apreendidos entorpecentes em locais ligados dupla.

A investigao que antecedeu a operao teve incio aps o homicdio ocorrido em 15 de maro deste ano, quando dois ocupantes de uma moto atiraram contra um homem e o mataram.

A PCMG apurou que no momento do homicdio o piloto da motocicleta e o atirador agiram diretamente para a execuo da vtima.

Os levantamentos concluram, ainda, com a identificao de outro membro do grupo criminoso, que teria oferecido suporte para a fuga do atirador para a cidade de Taiobeiras, distante quase 50 quilmetros do local dos fatos.

Aps o avano da investigao, a Polcia Civil descobriu que o executor do homicdio seria um membro de uma organizao criminosa que atua na cidade de Taiobeiras.

No dia do crime, ele teria se deslocado at o municpio de Rio Pardo de Minas para cometer o crime, aps a determinao de um tribunal paralelo que julga pessoas que no seguem as regras impostas pelos lderes do trfico.

Segundo o delegado Guilherme Banterli Moreira, que conduz a investigao, o homicdio foi determinado depois que um homem identificado como gerente do grupo informou que a vtima estava fazendo uso de drogas compradas de outras pessoas que no atuavam na organizao deles e, portanto, foi sentenciado morte.

A ordem, conforme apurado, decorreu do lder do grupo, que estava foragido na cidade de Abadias do Gois, onde foi preso aps a operao policial Queda do Templo.

Com o avano da investigao e as provas colhidas, a PCMG constatou que o grupo criminoso movimentava alto volume de vendas de drogas.

O homem conhecido como gerente da quadrilha, inclusive, ostentava grandes volumes de dinheiro. Sem nenhuma atividade lcita comprovada, ele teria adquirido um veculo no valor superior a R$ 40 mil.

O carro foi sequestrado judicialmente e apreendido pela PCMG durante o cumprimento do mandado de busca e apreenso. Outro veculo que era usado por outro membro do grupo tambm foi recolhido.

O delegado Guilherme Banterli Moreira ressalta que a investigao contou com a participao dos policiais civis em Rio Pardo de Minas, com apoio da PCMG em Taiobeiras e suporte da Agncia de Inteligncia da Polcia Civil em Montes Claros.

Para a operao tivemos o suporte de policiais de Rio Pardo de Minas, Taiobeiras, Salinas, alm do apoio areo do helicptero Carcar da Polcia Civil, e de dois ces do Canil da Polcia Civil.

Ns usamos, ainda, um drone na operao, detalhou o delegado.

Os suspeitos encontram-se no sistema prisional disposio da Justia. As investigaes continuam, e a equipe ainda apura a participao de outros envolvidos no crime.

O nome da operao faz aluso ao tribunal paralelo comandado pelo lder do grupo que estava foragido h mais de oito anos e que foi preso recentemente durante a operao A Queda do Templo, em Gois.

***

Jornal O tempo, de BH:

Homicdio do `tribunal do crime` acarreta operao da Polcia Civil em Minas

Homem suspeito de homicdio seria membro de uma organizao criminosa da cidade de Taiobeiras; sete envolvidos foram presos
Isabela Abalen

Um homicdio do tribunal do crime, como chamado o julgamento paralelo de pessoas que no seguem as regras impostas por lderes de organizaes criminosas, levou operao Tribunal do Templo da Polcia Civil no Norte de Minas Gerais nesta tera-feira (30).

Sete suspeitos, com idades entre 23 e 27 anos, foram presos em Rio Pardo de Minas por homicdio e trfico de drogas.

De acordo com a Polcia Civil, a investigao teve incio aps um assassinato em 15 de maro, quando dois ocupantes de uma moto atiraram contra um homem e, intencionalmente, segundo a apurao, causaram a sua morte.

Os levantamentos da polcia concluram que o executor do crime seria um membro de uma organizao criminosa que atua na cidade de Taiobeiras, a quase 50 km do local do fato.

No dia do homicdio, o suspeito teria se deslocado at Rio Pardo de Minas s para cometer o assassinato a mando do tribunal do crime.

Desse evento a polcia identificou, ainda, outro membro do grupo criminoso que teria oferecido suporte para a fuga do atirador.

Segundo o delegado Guilherme Banterli Moreira, que conduz a investigao, o homicdio foi determinado depois que um homem identificado como gerente do grupo informou que a vtima estava fazendo uso de drogas compradas de outras pessoas que no da organizao.

Este suposto gerente estava foragido h mais de oito anos e foi preso recentemente na cidade de Abdias do Gois, em Gois.

Organizao movimentava muito dinheiro
O avano da investigao da polcia constatou, a partir de provas colhidas, que o grupo criminoso movimentava alto volume de vendas de drogas.

O suspeito conhecido como gerente da quadrilha, ostentava dinheiro e, sem emprego lcito comprovado, teria adquirido um veculo no valor superior a R$ 40 mil.

O carro foi sequestrado judicialmente e apreendido pela PCMG durante o cumprimento do mandado de busca e apreenso.

Outro veculo que era usado por outro membro do grupo tambm foi recolhido.

Ainda, foram cumpridos oito mandados de busca e apreenso, sendo dois dos suspeitos presos em flagrante por trfico de drogas depois que foram apreendidos entorpecentes em locais ligados dupla.

Os investigados encontram-se no sistema prisional disposio da Justia.

As investigaes continuam, e a equipe ainda apura a participao de outros envolvidos no crime.

Por que Tribunal do Templo?
De acordo com a Polcia Civil, o nome da operao faz aluso ao tribunal paralelo comandado pelo lder do grupo que estava foragido e foi preso durante a operao A Queda do Templo, em Gois.

Compartilhe
Siga-nos nas redes sociais