Receba as notícias do montesclaros.com pelo WhatsApp
montesclaros.com - Ano 25 - terça-feira, 21 de maio de 2024

Jornal de BH: carga de 20 toneladas de escoras, enviada de S. Paulo para ajudar na sustentação de edifício em Montes Claros, foi roubada no caminho. “Não existe risco de colapso”, diz advogado

Terça 16/04/24 - 7h43

Jornal Estado de Minas, de BH, 21h28 de segunda-feira:


Carga de 20 toneladas enviada para prédio interditado é roubada

O carregamento de escoras seguia para Montes Claros, para ser usado na estabilidade de edifício evacuado por causa do risco de desabamento
Luiz Ribeiro

Nesta segunda-feira (15/04), completou uma semana que moradores e vizinhos do Edifício Roma (de 20 andares) foram evacuados e retirados às pressas do local por causa do risco de desabamento da edificação, que apresentou danos em um dos seus pilares.

Na noite de domingo (14/04), ocorreu o roubo misterioso de uma carga de 20 toneladas de escoras, que saiu de São Paulo e seria usada no serviço de estabilização do edifício.

O prédio segue interditado, aguardando laudos técnicos sobre as condições da sua estrutura.

Desde que o edifício foi interditado pela Defesa Civil e pelo Corpo de Bombeiros, os moradores do prédio e os vizinhos situados num raio de 60 metros do prédio foram levados para quatro hotéis da cidade, onde permanecem. Os custos de hospedagem e alimentação deles são bancados pela Construtora Turano, responsável pela edificação.


Estabelecimentos comerciais nas proximidades do prédio, incluindo um posto de gasolina, também foram interditados e o trânsito na região foi interrompido.


Uma carreta com uma carga de 20 toneladas de escoras que seria usada no serviço de estabilização do prédio saiu de Itapevi, na Região Metropolitana, com destino a Montes Claros.


De acordo com o boletim de ocorrência da Polícia Militar de São Paulo, por volta das 23h de domingo, a carga foi roubada na BR 381 (Fernão Dias), no município de Atibaia, ainda no território paulista.


Segundo o registro da PM de São Paulo, o motorista da carreta relatou que, quando seguia pela rodovia, ouviu um forte estouro em dos pneus da carreta. Assim que desceu da cabine para verificar o que tinha ocorrido, ele foi dominado por três homens armados, que, imediatamente, anunciaram o assalto.

Ainda conforme o boletim de ocorrência, o motorista disse que foi imobilizado e teve os olhos vendados, pés e mãos amarrados, sendo, em seguida, levado para um sítio. “E lá ficou em uma casinha sendo vigiado por um casal”.



A vítima informou que “em determinado momento foi colocada novamente dentro do carro para ser libertado, ao mandarem sair do veículo, ali estava seu caminhão vazio sem a mercadoria da qual transportava e com pequenas avarias”.


Riscos


A Construtora Turano, por meio do responsável pelo setor de suprimento, informou que não tem nenhuma pista sobre os autores do misterioso roubo das escoras, não sabendo o destino da carga, cujo valor não foi revelado.


Por outro lado, a empresa garantiu que providenciou a aquisição de outra carga de material semelhante para o serviço de estabilidade do prédio, seguindo a recomendação dos especialistas contratados para os levantamentos e providências necessárias a respeito da estrutura do edifício interditado.

Nesta segunda-feira, o advogado Elio Soares Ribeiro, assessor jurídico da Construtora Turano, afirmou que, desde que foi detectado o problema em uma das vigas de sustentação do Edifício Roma, está sendo feito o monitoramento do edifício o tempo todo.


“Não existe risco de colapso”, assegurou o advogado, dizendo que se baseia na informação do engenheiro calculista que avalia as condições da estrutura. Segundo ele, o especialista fez a “exigência” do escoramento do prédio, como uma medida de “segurança extrema”.

“O prédio é (está sendo) monitorado e ele está no prumo. Ele não altera para os lados e não tem aprofundamento. Isso é medido diariamente e está tranquilo”, disse.

O advogado explicou que ainda não tem uma data precisa sobre a emissão de laudos sobre a condição da estrutura e sobre a possibilidade do retorno dos moradores do prédio e dos vizinhos ao local de onde foram retirados porque a questão envolve estudos técnicos mais detalhados. Elio Ribeiro disse que acredita que ainda nesta semana a questão será resolvida.


“O que está tendo é um extremo de fazer um trabalho para ter (garantir) segurança (dos moradores)”, afirmou. O advogado salientou que a construtora responsável contratou um engenheiro para analisar a situação do prédio interditado e emitir um laudo sobre as condições da edificação. Mas, também contratou um segundo especialista, para emitir outro laudo como “contraprova”.


“Está sendo um esforço muito grande para dar uma resposta concreta (aos moradores e demais atingidos”, assegurou o assessor jurídico. Ele ressaltou que embora tenha previsão de quando será feita divulgação dos relatórios pelos especialistas contratados, a emissão dos laudos pode ser agilizada, podendo sair até esta terça-feira (16/04).

O advogado ressaltou ainda que a Construtora Turano adotou “todas as providências” para garantir assistência aos moradores do prédio interditado e “as todas as pessoas atingidas em seu entorno”.

Nesse sentido, averigua também as consequências sofridas pelos comerciantes das proximidades da edificação, que tiveram que interromper suas atividades.

“Estamos recebendo as informações e analisado o impacto ( causado). Eles também serão atendidos”, declarou Ribeiro.


***

✅ Clique para seguir o canal da 98FM/montesclaros.com no WhatsApp👇🏻
Acesse aqui

Compartilhe
Siga-nos nas redes sociais